Biodiversidade 96 / 2018-2

O sistema agroalimentar global invade terras e estabelece monoculturas saturadas com agroquímicos, e usa mão-de-obra ultra-precária e submissa. Para o agronegócio, nada importa: tudo são custos externalizáveis. A sociedade e seu entorno são devastados. As corporações continuam a lucrar. A população empregada nos campos foi expulsa pelo colapso de sua atividade agrícola, consequência do fluxo de regulamentações e políticas públicas (e suas regras de operação). São os acordos de livre comércio que perturbam a vida das comunidades e povos rurais, a vida da população urbana (por causa das vantagens comparativas que alcançaram ao impor negociações secretas). Tal situação sistêmica e estrutural de preocupação é particularmente virulenta para muitas mulheres, afligidas pela violência e assédio contínuos e extremos em todos os estratos sociais.

 

[Leer artículo completo] — [Bajar el PDF]